Ataque de asma: o que fazer e como ajudar em casos de emergência

ataque de asma
6 minutos para ler

Umas das situações mais estressantes para uma família é o ataque de asma em uma criança. Sendo uma doença que não tem cura, o problema atinge cerca de 20 milhões de brasileiros e é a quarta causa de internações nos hospitais.

Os primeiros socorros são fundamentais para acalmar o asmático e ajudar a normalizar o quadro. Inclusive, as ações iniciais tomadas logo após uma crise, em muitos casos, são suficientes para que a pessoa melhore e fique estabilizada.

Neste post, vamos ensinar o que você deve fazer ao presenciar um ataque de asma, mostrar a importância dos inaladores, falar sobre a doença no Brasil, as complicações e como preveni-la. Boa leitura!

Aprenda o que fazer em caso de ataque de asma

A primeira dica pode parecer inviável, mas é preciso se esforçar para colocá-la em prática. Mantenha a calma, pois se você estiver nervoso dificilmente vai conseguir ajudar quem está na mesma condição. Seria como alguém que não sabe nadar tentando salvar um familiar que esteja se afogando. Ambos, certamente, enfrentarão problemas.

Portanto, acalme o asmático, mantenha-o em uma posição confortável e ofereça um pouco de água. Nesse momento, tenha cuidado. Tem que ser em pequenos goles para evitar possíveis engasgos.

Incline ligeiramente a pessoa, se for preciso, deixando os cotovelos repousados em uma cadeira. Trata-se de uma ação que objetiva a melhoria da respiração. Vá conversando e acalmando a criança ou adulto.

Em seguida, faça uma inalação com os medicamentos próprios para asma, dê a bombinha e fique ao lado de quem sofreu a crise. O acompanhamento é essencial para evitar possíveis contratempos que possam piorar a situação.

Caso essas ações não amenizem o quadro, a orientação é procurar o hospital mais próximo. Isso porque a crise é perigosa e pode despertar outros problemas, inclusive uma parada cardíaca.

Se você estiver com alguém na rua e a situação se apresentar, siga essas dicas:

  • faça de tudo para controlar a angústia e a ansiedade da pessoa, transmitindo palavras positivas e com calma;
  • procure um local arejado e que não contenha pó, cheiros ou fumaça no ar;
  • informe rapidamente à família, caso seja um amigo ou conhecido;
  • dê água em pequenos goles;
  • procure a bombinha;
  • ligue para uma ambulância, se não houver melhora no quadro.

Veja a importância dos inaladores

Quem tem asma não pode se descuidar. Um dos procedimentos básicos é sempre contar com as bombinhas e inaladores. Tem que levar, seja para onde for.

Isso porque quando uma crise acontece dentro do lar, em um sítio ou em uma casa de praia é extremamente importante a família sempre estar acompanhada dos aparelhos, pois eles vão garantir um alívio frente à crise.

No caso dos inaladores, são importantíssimos porque auxiliam na absorção dos principais medicamentos que combatem as crises, os quais devem ser indicados por um profissional especializado. Portanto, é fundamental você sempre buscar auxílio médico.

Além disso, ajudam na melhora da respiração em qualquer momento, sendo bem úteis no tratamento da asma, amenizando os sintomas que podem se agravar, caso não sejam devidamente combatidos.

Conheça a realidade da asma no Brasil

A asma é uma doença crônica (sem cura) que inflama os brônquios pulmonares, causando, ainda, chiado e aperto no peito. Como a medicina ainda não descobriu uma cura para o problema, quem é asmático não pode se descuidar quanto aos procedimentos para combater as crises.

São 20 milhões de casos existentes no Brasil, com um registro anual de duas mil mortes em razão de complicações, sempre advindas após um ataque de asma. A informação é do Datasus. Trata-se de um quadro alarmante que requer cuidados especiais tanto por quem tem a doença quanto dos seus familiares. Contar com os inaladores é essencial.

Somente nos hospitais, pelo menos 350 mil internações são registradas anualmente no país em razão de crises mais graves. A situação é delicada e merece mais investimentos, além de atenção redobrada por parte dos asmáticos.

Saiba quais são as complicações da asma

Basicamente, quem sofre de asma tem uma respiração rápida e curta, desconforto no tórax e ansiedade. São sintomas que se agravam ao longo de um ataque. No entanto, além desses problemas, os asmáticos ainda convivem com várias complicações no dia a dia, inclusive, tendo algumas limitações. Entre elas, podemos citar:

  • queda na capacidade de se exercitar;
  • fôlego ofegante ao longo de várias atividades;
  • complicações recorrentes nos pulmões;
  • tosse constante;
  • dificuldade na respiração;
  • necessidade de internação em crises graves;
  • efeitos colaterais de alguns medicamentos;
  • morte.

Descubra como prevenir a asma

Apesar de não ter uma causa comprovada pela ciência, existem alguns indicativos que auxiliam na prevenção da asma. Entre eles, podemos citar a questão de higiene. É muito importante sempre manter os ambientes limpos, evitando o acúmulo de sujeira ou poeira.

Outra atitude recomendada pelos especialistas é sempre tomar sol na medida moderada e em horários corretos. Isso porque a vitamina D combate várias doenças que atingem a imunidade — e ela está presente nos raios solares.

Da mesma forma, é importante manter-se sempre agasalhado em dias frios ou nas manhãs que estejam com neblina ou sereno. Além disso, o estilo de vida também influencia. Portanto, priorize alimentos saudáveis e beba muito líquido. Água é essencial.

Faça atividades físicas, sempre com a indicação de um profissional e de forma moderada, não fume e mantenha o peso ideal. Assim, certamente você evitará que o ataque de asma seja uma constante em sua vida.

Fatores de risco

Quem é asmático também precisa ficar atento aos fatores de risco. Eles podem ser ambientais e oriundos dos hábitos do paciente ou, ainda, genéticos.

No caso dos ambientais, podemos citar a exposição à poeira, infecções virais, alergias, como de pelos de animais ou ácaros, fumaça de cigarro, poluição ou até mesmo mudanças climáticas bruscas.

O estresse emocional também contribui para piorar o quadro de quem tem a doença, inclusive, podendo ser a causa de um ataque de asma.

A obesidade é outro fator de risco que precisa que ser combatido. Assim, nada melhor do que praticar atividades físicas de forma moderada, sempre contando com uma avaliação médica antes de iniciar os exercícios.

Seguindo as nossas dicas, certamente você viverá melhor, evitando o ataque de asma. Lembre-se, porém, de ficar sempre de olho em possíveis sinalizadores que possam culminar em uma crise e solicitar uma ambulância rapidamente no 192, caso os primeiros socorros não surtam efeito.

Este post foi útil para você? Que tal aproveitar a visita ao blog para se informar mais? Entenda tudo sobre as principais doenças respiratórias e como se livrar das crises!

Você também pode gostar

Deixe um comentário