Bronquite, sinusite e rinite? Conheça as principais diferenças!

bronquite sinusite e rinite
6 minutos para ler

Doenças como bronquite, sinusite e rinite acometem milhares de pessoas ao longo do ano. Mesmo elas fazendo tratamento, muitas vezes não encontram uma cura, mas, sim, o controle dos sintomas para melhorar a qualidade de vida evitando crises.

Inclusive, em época de frio os desconfortos se tornam maiores devido ao ressecamento nasal e a baixa umidade do clima, além de outros fatores que complicam as doenças. Contudo, o que fazer diante disso para amenizar as causas? Acompanhe para conferir.

Entenda o que são cada uma destas doenças: bronquite, sinusite e rinite

A bronquite, a sinusite e a rinite são consideradas doenças respiratórias que atacam as vias nasais, superior e inferior, além dos pulmões. Geralmente, elas aparecem no inverno devido à má circulação do ar em ambientes fechados, clima seco e sensibilidade dos indivíduos a vírus, fungos e bactérias. No entanto, elas podem ser controladas para que os pacientes não tenham várias crises, mas é preciso saber identificá-las. Veja seus conceitos a seguir.

Bronquite

A bronquite é uma inflamação na região dos brônquios que tem a finalidade de transportar oxigênio do ar até os pulmões. Quando isso ocorre há um estreitamento do espaço para a passagem do ar deixando a respiração mais difícil, lenta e cansativa.

Inclusive, ao piorar, costuma desencadear a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Essa é uma enfermidade que aparece mais em crianças e idosos.

Sinusite

Do mesmo modo, a sinusite é um processo inflamatório, porém, da mucosa e região dos seios da face, ou seja, ao redor do nariz, maçã do rosto e olhos. Ela surge por uma gripe, alergia a determinados elementos ou quando a rinite está descontrolada. Se as crises durarem acima de 12 semanas é considerada crônica.

Rinite

Outra inflamação, a rinite atinge a mucosa que cobre a via nasal. Geralmente, é muito comum e aparece quando há uma reação do sistema imunológico às substâncias alergênicas de poeira, fungos, ácaros, bolor, pólen, pelo de animais etc.

Veja quais são as principais diferenças existentes entre bronquite, sinusite e rinite

Ao aparecer um agente estranho que entra em contato com algumas dessas mucosas, o corpo aciona seu mecanismo de defesa que gera a inflamação e a doença. Todavia, podem ser parecidos alguns sintomas, mas há distinções entre eles. Para saber qual delas está atrapalhando seu organismo, confira abaixo.

Bronquite

As causas da bronquite aguda são os vírus que trazem infecções bacterianas. Elas são desencadeadas pelo contato da pessoa com agentes poluentes ambientais e químicos. Aliás, pode se agravar se o paciente for fumante.

Já o que provoca a bronquite crônica é a extensão da aguda, podendo chegar até a uma pneumonia. Uma vez que não foi bem cuidada ou que envolve o uso de cigarros. Na maioria das vezes, essa evolução raramente atinge não fumantes. Quanto à bronquite alérgica, suas causas são oriundas de substâncias ou agentes que ocasionam alergias e isso varia de pessoa para pessoa.

Seus sintomas mais comuns provocam tosse com muco, chiado e sensação carregada no peito, febre e calafrios, cansaço, falta de ar, coriza, lábios roxos, entre outros. Entretanto, para fazer o diagnóstico correto, o médico avaliará os sinais, a frequência e a duração de cada um deles. Ela fará também perguntas sobre os hábitos de vida relacionados aos fatores de risco, bem como auscultará os pulmões com o estetoscópio para observar os ruídos respiratórios.

Além disso, deverá pedir uma radiografia do tórax, para ver como estão as estruturas dos pulmões, e exame de sangue, para analisar a infecção. Ainda, poderá solicitar a oximetria, para avaliar o nível de oxigenação no sangue, e a espirometria, um teste da função pulmonar. Assim que obter os resultados, deve indicar o tratamento que usualmente é realizado por meio medicamentos para melhorar o fluxo de ar, evitar os fatores de risco e uma boa hidratação.

Sinusite

O que provoca a sinusite são bactérias, fungos, vírus e agentes alergênicos, como choque térmico, cheiros de perfume ou outras substâncias, poeira, pelos etc. Eles alteram a anatomia nasal e dos seios da face. Assim, surgem tosse, obstrução e secreção nasal, pressão ou dor facial, redução e perda de olfato, dores na testa, de garanta, ouvido, mau hálito, náusea e algumas vezes até febre.

Usualmente, a sinusite aparece na infância. Com esses sintomas o médico fará um exame físico otorrinolaringológico, avaliará os episódios de reincidência e poderá pedir radiografia, tomografia computadorizada, endoscopia nasal ou ultrassonografia.

Se for uma sinusite viral leve não é necessário tratamento específico, mas, se for aguda, normalmente são utilizadas soluções salinas e alguns remédios. Dependendo do caso, pode ser preciso realizar uma cirurgia para minimizar ou acabar com o problema.

Rinite

A rinite pode ser infeciosa ou não. Logo, os agentes infecciosos são os vírus e bactérias. Contudo, ainda há a rinite do tipo alérgica por poluentes atmosféricos, cheiros fortes, medicamentos, alimentos, problemas emocionais, distúrbios hormonais e diversas outras causas. Parecidos com os demais, os sintomas presentes são a coriza, espirros frequentes, coceira nos olhos, no céu da boca, na garanta e no nariz, que muito provavelmente estará entupido.

Seu diagnóstico é clínico, baseado na história do paciente e exame físico. Como ela não tem cura, o tratamento é feito de três maneiras, principalmente em crianças: evitar contato com poeira, ácaros e pelos de animais, higienização do ambiente, e uso de medicamentos. Nesse caso, é possível realizar a imunoterapia, ou seja, a aplicação do alérgeno para que o corpo se acostume com o que está dando alergia.

Ao mesmo tempo, existe um item que não pode faltar. O nebulizador auxilia, e muito, nos problemas respiratórios agudos e crônicos, umidificando as vias aéreas, além de fluidificar secreções e introduzir medicamentos. Seu vapor atinge as vias respiratórias de forma mais rápida, fazendo com que os remédios entrem na corrente sanguínea e promovam bem-estar aos pacientes.

Entretanto, esse equipamento deve ser utilizado de maneira correta para que surta efeito. Assim, siga as recomendações do médico e do equipamento indicado, para cada situação, e lembre-se de mantê-lo sempre limpo. Em todos esses tratamentos de bronquite, sinusite e rinite deve-se procurar um médico para saber qual terapia é mais recomendada.

Quer conhecer melhor o tratamento de outras doenças? Então siga-nos agora mesmo no Facebook, no Instagram e no YouTube para ter acesso a mais conteúdos como este!

Você também pode gostar

Deixe um comentário