fbpx

Como tratar sinusite em criança logo no início

como tratar sinusite em criança
6 minutos para ler

A inflamação nos seios nasais é uma condição muito comum nos primeiros anos de vida. Por essa razão, os pais devem saber como tratar a sinusite em crianças. O primeiro passo é sempre a consulta com um pediatra, o qual indicará as medidas corretas para melhorar a causa do problema. As medidas de alívio e tratamento que falaremos aqui precisam ter sido indicadas por este profissional.

Devido à imaturidade dos seus sistemas respiratório e imunológico, elas não conseguem se defender adequadamente das infecções. Por exemplo, até os seis anos de idade, é perfeitamente comum que elas tenham de 6 a 9 crises de sinusite aguda todos os anos sem que isso gere maiores preocupações nos pediatras. À medida que ficam mais velhas, porém, há uma redução nesse número.

Para isso, neste post, vamos ajudá-lo a identificar os sintomas desse quadro e os principais sinais de alerta. Depois disso, falaremos sobre as medidas de tratamentos caseiros e médicos. Quer saber mais? Não deixe de acompanhar o post até o final!

O que é sinusite?

Conceitualmente, a doença é definida como uma inflamação dos seios nasais. Essas estruturas ficam dentro do nosso crânio, logo atrás do nariz. Por essa razão, a dor e a vermelhidão na face são uma das queixas.

Para eliminar o micro-organismo invasor, secreções começam a ser produzidas com células de defesa, as quais provocam uma cor amarelada ou verde, conhecida popularmente como “catarro”.

Vários outros sinais e sintomas podem aparecer durante o quadro, como:

  • febre;
  • dor de cabeça;
  • mal-estar;
  • cansaço;
  • tosse durante a noite, entre outros.

Quais são as principais causas de sinusite?

Não há uma causa única para sinusite, porém, podemos classificá-la em 4 tipos principais. Vamos falar de cada uma, a seguir!

Viral

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, não são as bactérias as principais causas de sinusite, mas os vírus. Apesar de não haver uma estatística sobre o assunto, os profissionais acreditam que eles sejam responsáveis pela maioria dos casos.

As épocas de inverno e de tempo seco deixam as crianças mais expostas à infecção. Como elas passam grande parte do tempo nas creches e escolas, basta uma criança doente para que haja um surto.

Felizmente, a doença tem um curso benigno de resolução espontânea. Assim, não é necessário tratá-la com antibióticos. Busca-se somente um alívio dos sintomas como a coriza, a febre e a dor no corpo. Isso pode ser feito com soro fisiológico e antitérmicos.

Bacteriana

É a causa que mais preocupa os médicos e as mães, pois o quadro clínico é mais intenso. Os pequenos perdem grande parte do apetite, ficam quietinhos na cama, apresentam febre alto e parecem nunca sarar. Nesse caso, pode ser necessária a administração de um antibiótico, porém, ele só pode ser receitado pelo médico.

Alérgica

É uma manifestação aguda de uma alergia respiratória. Ao entrar em contato com pelos, pólen, mofo, entre outros, há uma reação imediata dos seios nasais, que produzem muita secreção. Na maioria das vezes, não há sinais sistêmicos de febre, dor no corpo e queda do estado geral.

Inserção de corpo estranho

As crianças pequenas, frequentemente, tentam inserir peças de brinquedos por suas narinas, mas muitos deles não passam pelo pequeno orifício. No entanto, pode ocorrer de eles conseguirem isso sem que os pais vejam.

Esse objeto vai gerar uma reação do organismo e facilitar as infecções, sendo a principal suspeita quando há sinusites bacterianas de repetição, pois, ao contrário das virais, elas não ocorrem muitas vezes em um mesmo período. A partir de uma radiografia, o médico poderá chegar ao diagnóstico.

Quais as diferenças entre a sinusite aguda e a crônica?

Praticamente todas as doenças respiratórias se apresentam de duas formas:

  • aguda: começa de repente e se cura espontaneamente ou com o tratamento. Não dura mais do que duas semanas;
  • crônica: a criança apresenta vários quadros repetidos, os quais praticamente nunca se resolvem com o tratamento usual das formas agudas.

Esse é o caso da bronquite e da rinite, provocadas por uma reação exagerada do sistema imune a alérgenos. Na sinusite, entretanto, a cronicidade possivelmente indica outro problema, como defeitos do septo nasal, doenças congênitas, reação de corpo estranho etc. Assim, o profissional deverá iniciar uma investigação maior, que pode envolver exames de imagem, consultas com otorrinos e tratamentos prolongados.

Como tratar a sinusite em criança logo no início?

Como a maioria das infecções são virais, o tratamento inicial pode ser mais brando e feito pelos pais, em casa. As medidas também poderão ser adotadas para outras condições respiratórias, como a rinite.

Nebulização

Esse equipamento é excelente para as formas agudas e crônicas. A umidificação das narinas ajuda a dissolver a secreção, o que facilita a sua eliminação e alivia a congestão nasal. O procedimento mais correto é utilizar somente soro fisiológico sem nenhum outro medicamento.

Bolsa de água quente

As bolsas de água quente ajudam a facilitar a drenagem das secreções pelo organismo, reduzindo a obstrução à passagem do ar. Isso proporciona um alívio sintomático.

Alimentação

O sistema imunológico será a principal defesa do corpo contra os micro-organismos. Para isso, ele deve estar funcionando adequadamente, o que só é possível com uma alimentação completa e equilibrada. Dê bastante frutas, legumes e vegetais para o doente. Se ele estiver se recusando a comer, não force, pois isso pode provocar engasgos.

O que fazer se não houver melhora?

Algumas situações devem chamar a atenção dos pais, como:

  • ausência de melhora do quadro no prazo de dez dias;
  • uma piora significativa dos sintomas, com o surgimento de inapetência, febre alta e prostração intensa;
  • em poucos dias após uma melhora importante, houver o ressurgimento das queixas.

Então, será o momento de procurar a ajuda médica novamente para que o pediatra indique um tratamento resolutivo. Em alguns casos, poderá ser necessária também a realização de cirurgias, como a remoção de corpo estranho, correção de desvio de septo, cauterização de cornetos nasais hipertrofiados etc. São procedimentos simples de poucas horas, mas essenciais para evitar a sinusite crônica.

Portanto, todos os pais e responsáveis devem saber como tratar sinusite em crianças nos casos mais leves. Afinal, provavelmente, os filhos podem apresentá-la várias vezes aos anos. Muitas medidas podem ser tomadas em casa, mas é preciso muita observação e, em caso de qualquer sinal de alarme, a criança deverá ser levada ao médico o quanto antes.

Quer continuar recebendo as melhores dicas para a sua saúde e de seus filhos? Então, não deixe de assinar nossa newsletter!

Você também pode gostar

Deixe um comentário