Como lidar com a diminuição do apetite em crianças?

diminuição do apetite
7 minutos para ler

Muitas crianças passam por uma fase complicada em que rejeitam quase todos os alimentos, mesmo aqueles que elas costumavam gostar. Na maioria dos casos, essa situação pode ser facilmente solucionada com o uso de estimuladores de apetite por prescrição médica.

No entanto, essa diminuição do apetite pode ser provocada por diversos fatores. Por isso, é importante ficar atento ao fato, uma vez que esse sintoma pode estar ligado a doenças graves. Logo, é necessário investigar os motivos que levam os pequenos à rejeição da comida.

Este artigo vai abordar as principais questões ligadas com a diminuição do apetite em crianças. Acompanhe!

O problema da diminuição do apetite

Muitos pais chegam em consultórios se queixando desse problema: seus filhos não têm apetite, mesmo tendo fartura de alimentos dentro de casa. O maior problema de a criança não sentir fome está no fato de que esse hábito pode ser prejudicial para o seu crescimento.

Afinal de contas, ela não estará ingerindo as quantidades adequadas de nutrientes que são necessários para regular as funções orgânicas, como proteínas, ferro, cálcio, vitaminas, potássio e zinco.

É possível que seja uma fase comum e logo passe. Porém, a situação pode ser mais séria. A redução do apetite está também diretamente ligada a traumas psicológicos, infecções, apendicite e outras doenças. Portanto, os sintomas devem ser investigados o quanto antes.

As causas da redução do apetite

Conheça alguns motivos que podem desencadear a diminuição e a ausência de apetite nas crianças!

Fase de introdução alimentar

Não existe uma idade certa para que as crianças comecem a rejeitar os alimentos. Essa situação pode iniciar logo nas primeiras fases de introdução alimentar, por volta de 1 a 2 anos de idade. Vale destacar que é nesse período que os pequenos começam a desenvolver um paladar para os sabores.

É comum que durante o processo as crianças passem a recusar alguns alimentos. De qualquer forma, os pais devem estimular bons hábitos alimentares por meio da ingestão de itens nutritivos, a fim de assegurar o desenvolvimento saudável dos filhos.

Troca de dentição

A troca de dentição de leite por dentes permanentes pode provocar muita dor e impedir a criança de conseguir mastigar os alimentos corretamente. Algumas sequer conseguem abrir a boca normalmente. A boa notícia é que já existem remédios anestésicos que ajudam a reduzir a dor e a sensação de incômodo.

Gripes e resfriados

Crianças que estão passando por quadros de gripe e resfriados podem sofrer com a perda temporária de apetite. A alergia também pode estar incluída. Porém, logo que a criança é curada, a fome volta a aparecer.

Mudança nas etapas de crescimento

A alteração na quantidade de apetite pode variar conforme a idade das crianças. No primeiro ano de vida, devido ao seu rápido crescimento e aumento de peso, elas apresentam um metabolismo intenso. Por isso, elas comem bastante e em curtos intervalos.

Com o passar do tempo, o crescimento diminui um pouco de intensidade. Aí o consumo também é reduzido. Nessa etapa, a criança começa a dar mais trabalho para comer e passa a selecionar apenas os alimentos que tem vontade. 

Socialização

Fatores externos podem influenciar essa mudança no apetite. O principal motivo é a fase de socialização, que é quando a criança começa a se distrair com os amigos, os brinquedos e outras diversões. Logo, a alimentação pode ser deixada um pouco de lado, uma vez que ela passa a dar mais atenção ao entretenimento.

Doenças que podem estar relacionadas com a diminuição do apetite

Além dos motivos que mencionamos acima, a falta de apetite pode ser causada por doenças. Essa condição costuma se estender por longos períodos e, em geral, vem acompanhada de sintomas como sonolência, palidez, apatia e pouca disposição para brincar e realizar as atividades.

É por isso que os pais devem estar atentos e precisam buscar ajudar médica assim que suspeitarem de algo mais grave. Conheça, a seguir, algumas doenças que desencadeiam a diminuição de apetite!

Infecções

As infecções bacterianas e virais causam redução da fome. Elas costumam vir acompanhadas de outros sinais, como tosse, febre, cansaço e dor de garganta. A boa notícia é que elas duram pouco tempo até serem curadas. Porém, é importante atentar para tipos de infecção mais graves, como a tuberculose, que também traz redução de apetite e perda de peso, por exemplo.

Transtornos emocionais

A redução da vontade de comer pode estar ligada a fatores psicológicos. Durante a infância, a criança está formando a sua personalidade, e causas internas e externas podem provocar variações no humor e gerar ansiedade, estresse e tristeza. Mas vale lembrar que esses transtornos emocionais também podem resultar em compulsão alimentar.

Apendicite

A apendicite é uma condição que traz muita dor na parte direita da barriga, além da redução do apetite e náuseas. Ela é causada por uma inflamação do apêndice, uma região do intestino. A situação merece atenção especial e exige a retirada imediata, uma vez que pode ocasionar até mesmo a morte.

Malária

A malária é uma doença infecciosa nas hemácias (glóbulos vermelhos do sangue) causada por um parasita. A perda de apetite é um dos principais sintomas, além de dor nas articulações, dor de cabeça, náuseas, fraqueza e febre.

Obstrução intestinal

A obstrução é causada pelo bloqueio da passagem de fezes e alimentos pelo intestino. Assim, a criança se sente cheia e saciada e não tem vontade de comer. Essa condição também vem associada a outros sintomas, como prisão de ventre e distensão abdominal.

Dicas de como lidar com a falta de apetite

Coloque em prática algumas medidas que vão fazer com que as crianças comam mais:

  • ofereça os alimentos que a criança mais gosta;
  • dê quantidades menores de comida e com mais frequência;
  • não engane a criança mascarando os alimentos;
  • estipule horários determinados para as refeições;
  • utilize pratos do tamanho adequado;
  • seja o exemplo para o seu filho;
  • evite oferecer doces e alimentos muito gordurosos;
  • faça uma educação alimentar;
  • utilize estimulantes de apetite, mas somente com recomendação médica.

Como vimos, a diminuição do apetite pode ser causada por diferentes fatores. De qualquer forma, vale ressaltar que é essencial levar a criança para ser consultada por um médico, a fim de obter um diagnóstico certeiro. Assim, será possível recomendar o tratamento mais adequado para restabelecer a saúde e o bem-estar do pequeno o quanto antes.

Quer se manter informado sobre assuntos como este? Assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente em sua caixa de e-mails!

Você também pode gostar

Deixe um comentário