Doenças do coração: entenda como elas podem ser fatais

doenças do coração
7 minutos para ler

As doenças do coração são as principais causas de mortes no mundo. No Brasil, segundo o cardiômetro da Sociedade Brasileira de Cardiologia, somente no período de janeiro a setembro deste ano, elas foram responsáveis por mais de 300.000 casos fatais.

Embora as doenças do coração sejam mais comuns em pessoas idosas e com histórico familiar, os jovens também podem ser atingidos por problemas cardíacos. A informação é a melhor maneira de saber como se prevenir e identificar os sintomas para buscar ajuda médica, evitando agravamentos.

Neste artigo, vamos comentar sobre as doenças cardíacas que mais afetam a população, bem como os seus sintomas, tratamento e prevenção. Continue lendo para saber mais!

Principais doenças do coração

Várias enfermidades fazem parte do grupo de doenças cardiovasculares. Veja, a seguir, as principais responsáveis pela maioria dos casos fatais no Brasil.

Infarto agudo do miocárdio

Essa é a principal causa isolada de mortes por doenças do coração. Ele ocorre pela falta de sangue e oxigênio no músculo cardíaco, provocada pelo entupimento da artéria coronária, levando a um quadro de dor no peito, falta de ar, muito suor e mal-estar generalizado. O risco de morte aumenta em 10% a cada minuto, sendo muito importante a busca imediata de ajuda médica.

Acidente vascular cerebral

As placas de gordura depositadas nos vasos sanguíneos cerebrais podem causar o entupimento de um vaso, provocando tontura, dor de cabeça e paralisia de um braço, perna e face. Em alguns casos, dependendo do tamanho da lesão, pode comprometer também os processos neurológicos e a fala. O socorro imediato ajuda a reduzir as chances de sequelas e óbito.

Insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca é uma alteração no coração que diminui a sua capacidade de bombear sangue para atender as necessidades do corpo, causando uma redução do fluxo sanguíneo, acúmulo de sangue nas veias, nos pulmões e nas pernas.

Hipertensão arterial

A pressão sanguínea é a força exercida pelo sangue, bombeado pelo coração contra as paredes das artérias. Para o bom funcionamento do coração e do organismo em geral, é necessário que ela seja forte o suficiente para atingir a circulação das pernas e dos pés. Entretanto, quando a pressão é muito forte, pode lesionar os vasos sanguíneos.

A hipertensão arterial é o principal fator de risco para a ocorrência de doenças cardiovasculares, sendo conhecida como um ‘inimigo silencioso’, por destruir o organismo sem provocar sintomas aparentes.

Sintomas

A maior parte das doenças do coração não surge de forma repentina, ela se desenvolve ao longo do tempo, e muitas vezes, sem apresentar sintomas importantes. Em geral, as doenças são percebidas em exames de rotina, como o eletrocardiograma (ECG) ou o teste de esforço.

Quando os sintomas são identificados, normalmente é um indicativo de que a doença já se agravou, sendo necessário tratá-la com urgência. Alguns dos principais sintomas são:

  • cansaço excessivo sem motivo;
  • cor azulada nas pontas dos dedos;
  • dores no peito;
  • enjoo ou perda de apetite;
  • falta de ar ao repousar ou se esforçar;
  • inchaço nas pernas;
  • palpitações ou taquicardia;
  • suor frio;
  • tonturas ou desmaios;
  • tosse seca e persistente.

Tratamento

O tratamento para as doenças cardíacas depende do tipo de enfermidade e gravidade do problema. Em geral, os cardiologistas indicam medicamentos específicos e acompanhamento periódico.

Para os casos mais graves, com grande comprometimento no funcionamento do órgão, pode ser indicada uma cirurgia ou até mesmo um transplante.

Formas de prevenção

A versão atualizada da cartilha de Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) traz como principal mensagem a manutenção de um estilo de vida saudável como fator decisivo para evitar o aumento dos casos de doenças cardíacas.

Veja, a seguir, os principais cuidados recomendados para a prevenção de doenças do coração.

Manter um estilo de vida com hábitos saudáveis

O estilo de vida é determinante para a saúde do coração. Por isso, é importante ter atitudes e hábitos que devem fazer parte de uma rotina saudável, como:

  • manter o peso ideal;
  • buscar uma alimentação saudável, com frutas, verduras e legumes;
  • praticar atividades físicas;
  • fazer exercícios de relaxamento;
  • evitar o tabagismo.

É importante observar como pequenos cuidados podem fazer uma grande diferença na prevenção de doenças cardíacas e melhoria geral da saúde. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), os seguintes aspectos podem resultar em benefícios, como:

  • controle do colesterol — reduz em 20% o risco de derrames, 25% de morte e 33% de infarto;
  • controle da pressão arterial — reduz 15% do risco para infarto e 42% para derrame;
  • parar de fumar — menos 50% de risco para o infarto e 70% de morte;
  • perda de peso e exercícios físicos — reduz 25% de risco para desenvolver diabetes.

Desenvolver a espiritualidade

O documento da SBC também comenta sobre a espiritualidade como um dos fatores de proteção para o músculo cardíaco. De acordo com estudos, as pessoas que apresentam algum tipo de fé vivem melhor e são mais fortes para enfrentar e resolver os problemas da vida.

Observar as vacinações

De acordo com a Diretriz de Prevenção, algumas vacinas, especialmente a da gripe, ajudam a diminuir o risco de infarto em cardiopatas e idosos. Outro importante imunizante citado é o que age contra a bactéria pneumococo, responsável pela pneumonia, entre outros problemas para os portadores de doenças do coração.

Entretanto, a vacina da febre amarela deve ser utilizada com cuidado entre os idosos que apresentam algum problema cardíaco, já que ela é feita com o vírus vivo enfraquecido, podendo oferecer riscos às pessoas com idade avançada.

Manter um acompanhamento médico

O acompanhamento médico é fundamental para quem apresenta os sintomas de alguma doença do coração, para evitar a sua progressão e piora. Mesmo para as pessoas sem sintomas, é importante consultar periodicamente um cardiologista e fazer exames de rotina.

Utilizar um monitor de pressão arterial

É importante utilizar um monitor de pressão arterial para acompanhamento diário, evitando a piora em casos de hipertensão, já que ela pode se alterar ao longo do dia. Algumas pessoas apresentam uma pressão normal durante o dia e anormal à noite. Outras sofrem uma elevação da pressão no período da manhã ou à tarde.

A pressão arterial é uma medida da força do fluxo sanguíneo quando ele passa nas artérias e a sua medição é feita por valores de referência em milímetros de mercúrio (mmHg), sendo composta pelas medidas sistólica e diastólica.

A sistólica, que é a maior medida, diz respeito à intensidade do fluxo sanguíneo no momento que o coração bombeia o sangue. Já a diastólica, que se refere à menor medida, indica o fluxo de sangue entre os batimentos cardíacos, que é o momento em que ele se encontra relaxado e se enchendo de sangue.

Nesse sentido, quando uma pessoa tem pressão sistólica de 120 e diastólica de 80, essa medição é denominada como 120/80 ou “12 por 8”. Ela é considerada normal quando inferior a 135/85 mmHg — a partir dessa medida, é classificada como hipertensão.

Como vimos, as doenças do coração são as principais causas de mortes no mundo e a maioria dos casos pode ser evitada com pequenos cuidados. Para isso, é importante ter um estilo de vida saudável, fazer consultas e exames com cardiologista e um controle diário com um monitor de pressão arterial.

Para manter a pressão arterial sob controle, acesse o nosso catálogo e conheça os detalhes dos diferentes modelos de monitores de pressão arterial que podem ser utilizados em domicílio!

Você também pode gostar

3 thoughts on “Doenças do coração: entenda como elas podem ser fatais

  1. Tenho 2 pontes de safena e uma mamária, mas vou o cardiologista 2 vezes ao ano .controlo minha pressão 11×7.faço caminhada todo dia.faco uma boa alimentação frutas verduras , nada de frituras ,antes da cirurgia pesava 96 kg. Hoje peso 76.me sinto muito bem🙏🙏🙏

Deixe um comentário