Doenças respiratórias e qualidade de vida: 4 erros que você deve evitar

6 minutos para ler

Nada mais desagradável do que uma reação alérgica em um dia que demanda grande esforço: espirros ininterruptos, garganta coçando e até mesmo cabeça doendo. Doenças respiratórias e qualidade de vida são dois termos cada vez mais levantados em decorrência das mudanças climáticas,dos impactos do ser humano na natureza e até mesmo da mudança de hábitos.

Muitas dessas reações são causadas por corpos totalmente inofensivos em nossos organismo, mas que geram um grande problema. Pessoas que sofrem de asma e rinite alérgica, por exemplo, são aquelas que mais prestam atenção em agentes que podem causar essas doenças.

Mas, afinal, o que é necessário fazer para melhorar a qualidade de vida e nos afastar de uma vez por todas de doenças oriundas do sistema respiratório? Se essa dúvida também é sua, aproveite a leitura deste artigo 一 nele explicaremos melhor sobre as alergias e o que fazer para combatê-las de uma vez por todas. Acompanhe!

O que são doenças respiratórias alérgicas

Uma doença respiratória alérgica nada mais é do que corpos estranhos 一também conhecidos como alérgenos 一 que penetram no corpo e são confundidos com possíveis vírus e bactérias. A partir disso, o organismo passa a reproduzir mecanismos de defesa, em especial, a histamina. É nesse momento que problemas como os espirros, tosses e corizas surgem.

Essa reação exagerada é encabeçada por alguns dos organismos combatentes do sistema imunológico, como anticorpos, leucócitos, mastócitos, proteínas do complemento e outras substâncias. 

Assim, é necessário compreender o quanto antes qual nível de sensibilidade seu corpo possui para determinados tipos de situações. Algumas ações rotineiras, como andar de carro com o ar-condicionado ligado, por exemplo, pode ser o caminho para um dia com dor de cabeça, tosses, espirros e corizas constantes.

Asma e rinite alérgica

Existem duas doenças respiratórias que tiram o sono de muitas pessoas: a asma e a rinite alérgica. Apesar de existirem versões não geradas a partir de corpos alérgenos, em ambos os casos a qualidade de vida de seus portadores é afetada. As duas podem ocorrer ao mesmo tempo ou separadas.

No caso da rinite alérgica, quem sofre com ela apresenta sintomas como tosse seca, espirros sucessivos, corizas, inchaços, entre outros. É importante ressaltar que ela é a doença alérgica mais comum do país, atingindo cerca de 30% dos adultos e 26% das crianças e adolescentes, segundo o Departamento Científico de Rinite da Asbai.

Já a asma, que pode ser derivada da própria rinite, requer muito cuidado, uma vez que existe o potencial risco de morte. Sua principal característica é a intensa dificuldade de respiração.

Os principais erros da relação entre doenças respiratórias e qualidade de vida

Diversos cuidados devem ser tomados para evitar determinados tipos de problemas de saúde. Inclusive, na maioria deles, a atenção deveria ser a mesma, mas diante da sensibilidade a corpos alérgenos, essas pessoas precisam do dobro de cautela. 

Para que você garanta a qualidade de vida e evite novas doenças respiratórias, conhecer os principais erros cometidos é essencial. Confira!

1. Excesso de objetos de pelúcia na cama

Os bichos de pelúcia fazem parte da história de muitas crianças. Apesar de serem grandes amigos da infância, ele é considerado um grande vilão para quem sofre de doenças respiratórias. Isso acontece porque, com o tempo, o tecido que protege e forma as pelúcias acumula pó, ácaros, mofo, pólen e outros causadores de alergia.

A partir do momento que o organismo humano entende os alérgenos como possíveis elementos malignos, uma série de reações surgem, tais como congestão nasal, tosse e inflamação na garganta.

2. Guardar objetos que acumulam poeira

Não muito diferente dos bichinhos de pelúcia, uma série de objetos acumulam ácaros e outros agentes causadores de reações alérgicas. Apesar da tendência ser casas com menos elementos, há aquelas com pessoas acumuladoras 一 podendo ser até mesmo compulsivas.

Nessas casas mora um grande perigo para pessoas mais sensíveis, proporcionando problemas como a asma, sinusite e rinite. O correto é que, periodicamente, as residências passem por uma limpeza progressiva, que elimine de uma vez por todas os riscos.

3. Usar tapetes e carpetes felpudos

Os tapetes e carpetes são objetos decorativos e, em muitas casas, esbanjam grandes proporções e tecidos felpudos. Apesar de toda a beleza, eles também são possíveis riscos a sua saúde e da família, já que acumulam, além dos famosos ácaros, bactérias e pó, sujeira da rua e outros agentes desconhecidos. 

A melhor maneira de evitar isso é não tê-los em casa, mas se você não abre mão, recomendamos a limpeza de mês em mês 一 ou até em uma periodicidade menor 一 com uso de produtos de limpezas específicos para eliminar os agentes causadores de alergia.

4. Usar cortinas de tecido

Mais um caso de materiais que necessitam de limpezas periódicas. Na verdade, as cortinas são basicamente as versões verticais dos tapetes e carpetes, pois os riscos às doenças respiratórias e à qualidade de vida são os mesmos. 

Procure mantê-las os mais limpas possíveis e, se possível, prefira até mesmo cortinas que dispensam tecidos e utilizam outros tipos de materiais que evitem o acúmulo de poeira. Quanto mais cuidado com a casa, melhor será a proteção de sua família.

Os perigos das doenças respiratórias

O corpo humano nem sempre aparece com um grave problema naturalmente. Na maioria das vezes, doenças são acúmulos de problemas menores e, com a falta de cuidado ao longo do tempo, geram transtornos mais agressivos.

Assim, é muito importante se preocupar com as doenças respiratórias, principalmente aquelas que bloqueiam o sistema respiratório, podendo causar até mesmo o óbito do paciente. Essa atenção vale mesmo para problemas mais simples, como a rinite, que proporciona novas doenças como a asma 一 já mencionada 一, bronquite e até mesmo a pneumonia.

Se você entende a relação das doenças respiratórias e qualidade de vida, sabe que é necessário avaliar melhor as rotinas da casa, de seus moradores e o que está presente nela e pode ser um problema. É recomendável sempre contar com suporte de um médico especialista que faça a avaliação periódica e identifique possíveis riscos ao bem estar o quanto antes.

E aí, o que achou deste artigo? Aproveite e acompanhe as nossas redes sociais e saiba mais sobre outros assuntos importantes para a sua saúde e a de sua família. Estamos no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn

Você também pode gostar

Deixe um comentário