DPOC: entenda o que é a doença pulmonar obstrutiva e seus sintomas

doença pulmonar obstrutiva crônica/dpoc
6 minutos para ler

Tosse crônica e falta de ar, que piora com o esforço físico, são os principais sintomas da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que afeta principalmente pessoas que foram expostas a partículas e gases nocivos, especialmente fumaça de cigarro. Além do tabagismo e inalação de gases, a enfermidade também pode se desenvolver em função de fatores genéticos.

A DPOC é uma doença respiratória crônica, que se desenvolve ao longo de anos de exposição aos agentes que agridem os pulmões. No entanto, é possível preveni-la ou amenizar os sintomas, interrompendo a sua evolução. Para tanto, é fundamental que a pessoa tenha um diagnóstico precoce e adote medidas de controle.

Quer entender melhor quais são os sinais de alerta e aprender a controlar os sintomas da doença? Então continue a leitura deste nosso post!

Entenda o que é a DPOC

A doença pulmonar obstrutiva crônica se caracteriza por sintomas respiratórios, que limitam o fluxo de ar para os pulmões. Com isso, o paciente tende a sentir maior cansaço no dia a dia, especialmente em situações que envolvam algum tipo de esforço físico. Em alguns casos mais graves, até mesmo uma caminhada leve ou permanecer em pé pode desencadear a falta de ar. 

A limitação da entrada de ar que ocorre na DPOC é causada pela resposta inflamatória às toxinas inaladas. Frequentemente, a doença também causa bronquite crônica, que obstrui as vias respiratórias, e enfisema (destruição do tecido pulmonar). As duas condições podem se manifestar no portador de DPOC, agravando a sua condição.

Para compreender melhor a razão da limitação que afeta os portadores de DPOC, é preciso entender o funcionamento dos pulmões. A função dos brônquios é levar o ar para dentro e para fora do órgão. Para tanto, eles se ramificam em bronquíolos, que contêm os alvéolos, que são as estruturas que se enchem de ar, esvaziando depois, durante o processo respiratório. 

Quando uma dessas partes do pulmão está afetada pela doença, pode ocorrer um estreitamento nos brônquios, que passam a acumular muco, além da perda de elasticidade ou destruição dos alvéolos, fazendo com que percam a capacidade de esvaziamento. Com isso, a capacidade respiratória da pessoa que tem DPOC se reduz e surge a sensação de fadiga.

Nos Estados Unidos, 24 milhões de pessoas sofrem com a limitação do fluxo de ar, sendo que 12 milhões delas têm diagnóstico de DPOC. No Brasil, a doença é a quarta causa de internação no SUS (Sistema Único de Saúde), sendo que cerca de 40 mil brasileiros morrem, por ano, em decorrência dela.

Vale destacar que o tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento da doença, mas não o único. Além das características genéticas, a exposição prolongada à poluição, fumaça e gases, como no caso de trabalhadores de carvoarias ou empresas que utilizam forno a lenha, também pode levar à inflamação que desencadeia os sintomas da DPOC.

Conheça os principais sintomas da doença pulmonar obstrutiva crônica

A falta de ar e consequente sensação de fadiga é o principal sintoma da DPOC. No entanto, a doença tem desenvolvimento lento, o que faz com que os sinais iniciais passem despercebidos pela grande maioria das pessoas. 

Normalmente, os primeiros sintomas são tosse e pigarro, que vão piorando com o tempo. Conforme explicamos, a doença pode desencadear também a bronquite crônica e o enfisema, causando outros sintomas mais graves:

  • tosse produtiva e persistente;
  • falta de ar (dispneia), que piora com o esforço ou com infecções respiratórias;
  • chiado ao respirar;
  • sensação de desconforto (ou aperto) no peito;
  • respiração ofegante;
  • fadiga;
  • dificuldade para dormir, em função da tosse;
  • nos estágios mais avançados da doença, pode ocorrer perda de peso e cianose (unhas com coloração arroxeada).

Confira as opções de tratamento para a DPOC

Embora não tenha cura, a doença pulmonar obstrutiva crônica pode ser tratada. Assim, quanto mais precoce for o diagnóstico, mais efetivo será o controle dos sintomas. 

A confirmação do quadro é feita por meio de testes pulmonares, raio-x de tórax e tomografia computadorizada. Em pacientes com menos de 50 anos, também é recomendada a avaliação dos níveis de alfa1-antitripsina, especialmente se houver histórico familiar de DPOC.

A vacinação anual contra a gripe é muito importante, além da vacina antipneumocócica, para evitar que o paciente desenvolva infecções respiratórias, que podem agravar seu quadro. A prática regular de exercícios também é indicada. 

Os medicamentos utilizados são brocodilatadores inalatórios, que podem ser associados a corticoides. Em casos mais graves, é necessário o uso de oxigênio. Em situações de crise, a administração de antibióticos também é uma alternativa para reduzir os sintomas. 

A reabilitação pulmonar também é uma estratégia para melhorar a função respiratória e, portanto, a qualidade de vida do paciente. Caso a pessoa seja fumante, é necessário cessar o hábito. Além disso, a convivência com outros tabagistas deve ser interrompida. 

Saiba como prevenir a doença pulmonar obstrutiva crônica

A principal estratégia para reduzir o risco de desenvolver a DPOC é livrar-se do tabagismo e evitar a exposição, mesmo que passiva, à fumaça de cigarro. Além disso, como explicamos, a inalação de outros gases, como fumaça derivada da queima de combustíveis sólidos (lenha e carvão), também deve ser evitada.

Em caso de suspeita dos sintomas, é importante buscar orientação médica o quanto antes, uma vez que, quanto mais cedo a doença for identificada, melhor é o prognóstico. Além disso, é fundamental que o indivíduo portador da DPOC evite episódios de infecção respiratória, com vacinação e redução da exposição a fatores de risco. 

Assim, o controle ambiental é importante, uma vez que um episódio de rinite alérgica ou asma também pode agravar os sintomas da DPOC. É recomendado afastar os alérgenos (poeira, ácaros e fungos, entre outros) e evitar situações que possam desencadear crises respiratórias, como exposição a baixas temperaturas

O uso de inaladores e nebulizadores também é indicado, seja para umidificar as vias aéreas, seja para a administração de medicamentos inalatórios, a critério do profissional médico. Vale lembrar que o uso correto dos medicamentos reduz a progressão dos sintomas da DPOC e contribui para a qualidade de vida do paciente.

Nosso post ajudou a esclarecer os detalhes da doença pulmonar obstrutiva crônica? Deixe seu comentário abaixo e divida com outros leitores sua experiência no combate aos sintomas da DPOC!

Você também pode gostar

10 thoughts on “DPOC: entenda o que é a doença pulmonar obstrutiva e seus sintomas

  1. Estou com problema respiratório a 1 ano, chiado qdo respiro, falta de paladar e olfato. Colocando catarros velhos para fora, espirros e tosses diariamente. Só melhoro qdo tomo azitromicina, volto a sentir cheiro e gosto. Depois de 1 mês volta td novamente. Estou convivendo com esse problema

  2. Matéria boa e esclarecedora, apreciei, me informei e gostaria de receber dicas e/ou notas a respeito desse assunto
    Obs: Quem tem DPOC é a minha mãe e com cuidadora dela gostaria de me manter atualizada. Obrigada

  3. Bastante esclarecedor. O autor está de parabens e continue sempre nos ajudando com artigos semelhantes ao que acabamos de ler.
    Precisamos muito para tornar mais suportavel a vida de quem
    como eu, tive pouca ou quase nenhuima orientação a respeito dessda doença tão limitadora

    Joambel Prado Marques
    joambel.marques@gmail.com

  4. Muito esclarecedor. Não gostei, porque me idenfiquei com os sintomas mencionadados. Mas em tempos de pandemia, que temos medo de procurar um médico, o que fazer?

  5. Muito boas as informações sobre DPOC, vou procurar um pneumologista, estou sentindo dores nas costas que pode ser algum problema nos pulmões.
    Atenciosamente,
    William de Oliveira Martins

Deixe um comentário