Conheça os principais sintomas do enfisema pulmonar em idosos

enfisema pulmonar em idosos
7 minutos para ler

Algumas doenças respiratórias fazem com que os pulmões percam sua capacidade, com redução gradual de sua elasticidade, causando fadiga e mal-estar. Por ter evolução lenta, muitas vezes, as enfermidades demoram a ser identificadas, o que afeta ainda mais a qualidade de vida do paciente. É o caso do enfisema pulmonar em idosos.

A lentidão no diagnóstico é um dos maiores agravantes dessa situação, uma vez que a função pulmonar não é recuperada. O enfisema é uma doença crônica, mas a identificação do quadro e o tratamento precoce evitam a progressão e o agravamento dos sintomas.

Com o avanço da idade, a possibilidade de desenvolver a enfermidade aumenta. Isso porque infecções das vias aéreas podem ocorrer com maior frequência ou intensidade.

Para conhecer os riscos do enfisema pulmonar em idosos e saber como lidar com a doença, continue a leitura de nosso artigo!

Entenda o que é o enfisema pulmonar

O enfisema pulmonar é uma doença crônica que compromete a capacidade respiratória. Ele interfere na quantidade de oxigênio que chega à corrente sanguínea.

Esse comprometimento dos pulmões é enquadrado como uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), causada por uma resposta inflamatória anormal à inalação de substâncias tóxicas, como gases, fumaça ou poluição.

O principal agente causador da enfermidade é o tabaco. Assim, fumantes, ex-fumantes ou fumantes passivos estão mais sujeitos ao desenvolvimento do enfisema. Além disso, outro fator de risco são doenças cardiorrespiratórias, cuja incidência também aumenta com a idade.

Com o diagnóstico precoce, é possível controlar os sintomas da enfermidade, com menos prejuízos à qualidade de vida dos pacientes.

Confira como a doença afeta a capacidade respiratória

No enfisema pulmonar, os pacientes têm um aumento anormal e permanente dos espaços aéreos distais aos bronquíolos, que são as estruturas que têm a função de levar o ar para dentro e para fora dos alvéolos. Isso resulta na redução da área dos pulmões, com destruição das paredes alveolares.

Para entender melhor, no processo de respiração, os alvéolos pulmonares se enchem de ar e se esvaziam em seguida, constantemente. Quando tais estruturas estão comprometidas, o esvaziamento não é completo, o que faz com que a respiração não seja eficiente, uma vez que o indivíduo não consegue utilizar sua capacidade máxima de aspiração.

O resultado disso se traduz na sensação de cansaço frequente e na falta de fôlego para as atividades mais básicas. Em condições mais avançadas, caminhar ou mesmo ficar em pé exige muito esforço, o que compromete, de forma significativa, a qualidade de vida do paciente e de seus familiares.

Por que o enfisema pulmonar é especialmente grave nos idosos?

Nas pessoas mais velhas, a degeneração das fibras elásticas dos brônquios respiratórios causa impactos mais importantes. Ela afeta sua capacidade de locomoção, impedindo a execução de exercícios leves, como andar, ou causando dificuldade de absorver oxigênio, mesmo em situações de repouso.

A falta de ar decorrente do enfisema compromete a qualidade de vida e a autonomia do idoso, interferindo em atividades básicas no dia a dia. Além disso, a doença facilita a ocorrência de outras enfermidades.

Entre elas, pneumonia de repetição, emagrecimento sem razão, mal-estar e até mesmo o surgimento de câncer de pulmão. Essa condição é, na maioria dos casos, decorrente do fumo prolongado.

Conheça os sintomas do enfisema pulmonar em idosos

Os problemas pulmonares podem ocorrer em qualquer idade, mas, com o passar dos anos, existe uma tendência maior de declínio da imunidade. Isso significa que a capacidade de combater e curar infecções se torna menor com o avanço da idade.

Além disso, as infecções que comprometem as vias aéreas inferiores (traqueia, brônquios e pulmões) se tornam mais frequentes e, infelizmente, mais intensas. Essa é uma das principais causas de doenças pulmonares da população, não somente no Brasil, mas em todo o mundo.

Estudos epidemiológicos recentes mostram que a incidência da doença é alta, embora o diagnóstico não seja tão efetivo. Confira quais são os sintomas mais frequentes, que merecem atenção:

  • respiração difícil ou sensação crônica de falta de ar;
  • tosse persistente;
  • chiado (ou sibilo) ao respirar;
  • inchaço no tórax e dor no peito;
  • produção crônica de muco;
  • maior probabilidade de contrair e desenvolver outras doenças respiratórias.

Vale destacar que o enfisema é uma das infecções respiratórias mais comuns em idosos. Isso ocorre porque, com o envelhecimento, as estruturas pulmonares ficam menos elásticas e perdem a capacidade de limpar impurezas provenientes do ar.

Além disso, com a inflamação causada pela inalação de substâncias tóxicas, as trocas gasosas ficam mais difíceis, comprometendo a respiração.

Existe cura para o enfisema pulmonar?

Independentemente da idade em que a doença se manifesta, o enfisema pulmonar não tem cura. Porém, existem tratamentos que aliviam e impedem a progressão dos sintomas. Por isso, o diagnóstico precoce é muito importante.

O controle, normalmente, é feito com broncodilatadores e corticoides inalatórios, recomendados pelo pneumologista. A função desses medicamentos é expandir as vias aéreas, melhorando a capacidade respiratória.

Em quadros de maior gravidade, pode ser necessário o uso de oxigênio, seja apenas por algumas horas, seja continuamente. Além das medicações indicadas pelo pneumologista, é importante adotar hábitos de vida saudáveis.

Entre eles, podemos citar o controle da exposição a agentes que possam desencadear alergias e crises respiratórias, e evitar o fumo. Especialistas também podem indicar a prática da fisioterapia respiratória (exercícios para reabilitação da capacidade pulmonar).

Saiba como prevenir o enfisema pulmonar

O enfisema, na grande maioria dos casos, surge em pessoas que fumam ou que foram expostas à fumaça, tanto do tabaco quando de fornos à lenha ou emitidos por carvoarias. Embora, para tais indivíduos, não exista uma forma de prevenção eficaz, a recomendação é evitar o tabaco ou locais onde possa existir fumaça de cigarro.

Além disso, é fundamental controlar a ocorrência de outras infecções respiratórias. Entre elas, gripes, resfriados, pneumonia ou bronquite, pois esses quadros podem agravar a função pulmonar e comprometer ainda mais a capacidade respiratória do paciente. 

Assim, o controle ambiental, a vacinação contra a gripe e pneumococos e os cuidados para umidificar as vias aéreas, como o uso de nebulizadores, contribuem para reduzir a ocorrência de doenças. Dessa forma, ajudam o paciente a respirar melhor, além de aliviar os sintomas do enfisema pulmonar em idosos.

As informações foram úteis? Então, continue em nossa página e leia mais sobre o uso de nebulizadores no tratamento e prevenção de doenças respiratórias, especialmente durante a pandemia de Covid-19!

Você também pode gostar

3 thoughts on “Conheça os principais sintomas do enfisema pulmonar em idosos

  1. Gostei muito da matéria, tenho uma mãe com DPOC e me preocupo muito , hoje ela faz tratamento com ultibro e teve uma melhorada mas sofre ainda com mudança de tempo.
    Obrigada pela sua matéria me ajuda a entender melhor a doença.

Deixe um comentário