fbpx

Estresse e pressão alta: entenda esta relação

estresse e pressão alta
6 minutos para ler

A relação entre estresse e pressão alta pode ser perigosa. Se você é hipertenso, deve procurar formas de se acalmar para viver melhor, além de adotar hábitos alimentares saudáveis e combater o sedentarismo.

Ao falarmos em estresse, logo associamos o termo a um quadro negativo, em que a pessoa apresenta sintomas como nervosismo, inquietação, explosões de raiva, entre outros. De fato, essas reações estão associadas a momentos estressantes, mas as respostas automáticas do organismo podem surgir em ocasiões negativas ou positivas.

O estresse é uma resposta fisiológica a situações que fogem do previsto. Trata-se de uma reação natural: o cérebro interpreta algo como perigo e nos prepara para os comportamentos de luta ou fuga.

Diante dessa ordem cerebral, o corpo começa a liberar maiores quantidades de hormônios, como adrenalina e cortisol. Essas substâncias podem ter efeitos diversos no organismo se você permanecer no estado de estresse por tempo prolongado.

Entenda qual é a relação entre estresse e pressão alta e descubra algumas formas de amenizar esse quadro!

Por que estresse e pressão alta formam uma combinação perigosa?

O estresse se desenvolve em diferentes fases. O primeiro estágio inclui o estado de alerta, e isso acontece sempre que nos deparamos com qualquer situação que nos tire de uma zona segura — isso vale para imprevistos e para exposição repetitiva a ambientes e situações de tensão.

Exemplos aleatórios: ouvir um som suspeito de madrugada; esperar a chegada de uma pessoa querida; preparar-se para uma apresentação profissional; discutir com alguém. Perceba que esses acontecimentos são diferentes, mas nem todos representam algo negativo, embora a reação natural do organismo seja semelhante.

Ainda na fase de alerta, o corpo aumenta a produção de adrenalina — um neurotransmissor que nos deixa mais ligados, enérgicos e preparados para a ação. Se o ativador do estresse desaparecer, você retorna ao seu estado normal, sem prejuízos.

Se o evento estressor persistir — seja no contexto real, seja na sua mente em forma de preocupações — você passa para um nível mais alto de estresse: a fase de resistência. Nesse estágio, os sintomas começam a se agravar e surge um intenso cansaço físico e mental.

Depois disso, caso os estímulos estressores não cessem, você entra em uma zona de risco: a fase de quase-exaustão. A partir de então, o corpo manifesta:

  • fadiga física e emocional;
  • problemas de memória e concentração;
  • alterações na libido, no sono e no apetite;
  • queda no sistema imunológico;
  • problemas de pele e queda de cabelo;
  • predisposição aumentada para o surgimento de tumores;
  • disfunções gastrointestinais;
  • desequilíbrio de colesterol e triglicérides;
  • aumento da pressão arterial.

Diante de níveis elevados e persistentes de estresse, o corpo sofre de diversas maneiras. Esse é um risco aumentado para pessoas hipertensas, que ficam mais próximas de uma reação fatal, como acidente vascular cerebral (AVC), infarto e outras doenças do coração.

Como aliviar o estresse e controlar a pressão arterial?

Além do acompanhamento médico regular, existem formas simples de diminuir os efeitos do estresse na pressão alta. Veja algumas mudanças de estilo de vida que podem melhorar a sua saúde!

Faça atividades físicas

A prática regular de exercícios físicos é recomendada como tratamento auxiliar em quase todos os quadros de saúde. Esse tipo de atividade melhora o funcionamento dos sistemas respiratório e circulatório, reduzindo uma série de problemas, inclusive a pressão alta.

Com esse hábito, a pressão do sangue reduz e mantém os níveis normalizados durante e após a prática de atividades. Mas o ideal, primeiramente, é consultar um especialista e passar por uma avaliação para saber se você está apto para o esforço físico. O médico poderá indicar a melhor modalidade de exercício e nível de intensidade.

Experimente técnicas de relaxamento

Para mandar o estresse embora e manter a saúde em dia, vale a pena apostar em atividades de relaxamento e terapias holísticas, como ioga, meditação, mindfulness, exercícios de respiração consciente etc. Essas técnicas envolvem concentração e neutralização de problemas externos e energias tóxicas.

Durante a prática de ioga e meditação, por exemplo, é preciso anular os pensamentos desordenados e prestar atenção apenas na respiração e nas respostas do sistema sensorial. Dessa forma, você tira o foco dos eventos estressores do dia a dia e o sistema nervoso central processa as novas sensações como estímulos positivos.

Cuide da saúde emocional

A forma como vemos o mundo e respondemos aos conflitos tem grande influência sobre o que sentimos. Prova disso é que quanto mais pensamos em determinado problema, mais nosso corpo responde com sintomas de estresse — preocupação excessiva, tensão, nervosismo, irritação etc.

Uma maneira necessária de amenizar o estresse e se sentir melhor é desenvolver formas saudáveis de lidar com as próprias emoções. Nesse sentido, a psicoterapia surge como uma alternativa aliada para aumentar o autoconhecimento, o autocontrole e a inteligência emocional.

Reserve tempo para lazer e descanso

Ninguém aguenta a pressão de uma rotina atribulada sem uma válvula de escape. Antes que seu corpo sinalize o esgotamento por meio de problemas de saúde, aprenda a gerir melhor o seu tempo para conseguir descansar e relaxar.

Algumas horas de lazer por semana são indispensáveis para o bem-estar físico e mental. Aproveite para ler um livro, assistir um filme, passear com a família ou dar uma volta sozinho, ao ar livre, para respirar melhor. Independentemente da atividade escolhida, o importante é fazer algo para se sentir bem.

Monitore a pressão regularmente

Pensar em alternativas para reduzir o estresse e combater a pressão alta é uma medida valiosa para a saúde. Mas para ver os efeitos dos bons hábitos é imprescindível monitorar a pressão diariamente — e isso nunca foi tão prático como é agora.

Com um monitor de pressão arterial você pode verificar qualquer alteração em casa, sem precisar se deslocar até uma farmácia ou posto de saúde. Vale lembrar que os medidores são recursos necessários para o controle diário de pessoas hipertensas, mas o acompanhamento médico regular não deve ser interrompido.

Além das dicas que apresentamos para diminuir os riscos da relação entre estresse e pressão alta, procure cultivar um estilo de vida saudável em geral. Mantenha uma alimentação equilibrada e sem excesso de sal, evite hábitos nocivos, como tabaco e álcool, e priorize sua qualidade de vida.

Ainda em dúvida sobre qual aparelho utilizar para acompanhar seus níveis de pressão? Conheça os nossos produtos e escolha o melhor monitor de pressão arterial para manter sua saúde em dia.

Você também pode gostar

Deixe um comentário