O que é sopro no coração? Saiba como identificar

o que é sopro no coração
7 minutos para ler

O nome chama atenção, mas pouca gente sabe o que significa. E é importante saber o que é sopro no coração para identificar o problema logo no início dos sintomas e obter tratamento, evitando o seu agravamento. Em geral, essa alteração ocorre quando a válvula cardíaca apresenta problemas que impedem a correta circulação sanguínea.

Neste artigo, vamos explicar os principais aspectos que o conceito de sopro no coração envolve, como as suas causas, fatores de risco, sintomas, quando procurar ajuda de um especialista, tratamentos, importância do acompanhamento médico, diagnóstico, tratamento e prevenção. Continue a leitura para saber mais!

O que é o sopro no coração?

A denominação sopro no coração é utilizada para identificar ruídos com características acústicas semelhantes ao ruído de um fole que se localizam numa região chamada precórdio (próximas ao coração) ou nas suas proximidades ou ainda sobre os vasos. Esse ruído pode ser ouvido nas consultas médicas.

E isso se dá quando alguma das quatro válvulas cardíacas apresenta o orifício de passagem reduzido (o que chamamos de estenose) ou quando não consegue fechar corretamente e deixa o sangue voltar (insuficiência).

A frequência do som varia de 50 a 500 ciclos por segundo. Eles diferem das chamadas bulhas, tanto em sua origem quanto em seu significado.Enquanto as bulhas são fenômenos normais, os sopros traduzem, na maioria das vezes, anormalidades cardíacas. Mas é importante observar que essa condição não é uma doença do coração, e sim, um sintoma de que algo anormal está acontecendo no funcionamento cardíaco.

De acordo com os especialistas da Clínica Médica Propedêutica e Fisiopatologia, Dr.Marcelo Marcondes, Dr. Duilio Ramos Sustovich e Dr. Oswaldo Luiz Ramos, os sopros cardíacos aparecem quando, basicamente, ocorrer uma ou mais das seguintes condições:

1 – Aumento da velocidade do sangue;

2 – Formação de redemoinhos;

3 – Impacto do jato sanguíneo contra uma parede vascular ou cardíaca;

4 – Diminuição da viscosidade do sangue.

Portanto, nem sempre eles podem ter um significado patológico. Diante disso, o ideal é

que, quando feito o diagnóstico de um sopro, se procure um cardiologista para dizer exatamente qual o seu diagnóstico, significado e quais condutas devem ou não ser tomadas.

Quais as causas?

Como revelado, o sopro no coração pode ser de origem congênita ou surgir com o avanço da idade, devido à degeneração de alguma válvula. Ele também pode ocorrer como sequela de endocardite ou após um infarto, em decorrência de uma lesão de válvula ou do músculo cardíaco.

Além disso, a causa pode ser funcional, como em casos de estados hiperdinâmicos ou de febre, desaparecendo assim que a causa da aceleração do sangue é corrigida.

Sopro normal e anormal

Em relação à sua tipologia, o sopro pode ser normal ou anormal. No primeiro caso, trata-se de uma condição comum em bebês e crianças que apresentam um coração saudável. Ele também pode ocorrer quando o sangue flui mais rápido através do coração, como nas seguintes situações:

  • atividade física ou exercício;
  • cirurgia cardíaca;
  • excesso de hormônio da tireoide (hipertireoidismo);
  • febre reumática (muitas vezes causada por amidalite);
  • gravidez;
  • insuficiência de glóbulos vermelhos (anemia) saudáveis para transportar oxigênio para os tecidos do corpo.

Esses sopros podem desaparecer com o tempo, ou durar a vida inteira sem provocar outros problemas de saúde. Já os casos de sopro anormal são mais graves. Em crianças, eles são, geralmente, provocados por doenças cardíacas congênitas, como o defeito septal, que é uma espécie de orifício nas paredes entre as câmaras cardíacas, bem como anormalidades na válvula do coração.

Além disso, pode ser causado por infecções e condições que danificam as estruturas do coração. Nesses casos, são mais comuns em crianças mais velhas ou adultos, como a endocardite, febre reumática, calcificação da válvula e prolapso da válvula mitral.

Quais são os fatores de risco?

Os fatores de risco para essa alteração estão relacionados aos sopros patológico e doenças pré-existentes. Podem estar presentes, por exemplo, em quem tem hipertensão e diabetes. Outros casos são:

  • alguns medicamentos;
  •  bebidas alcoólicas;
  • cardiomiopatia;
  • drogas consumidas durante a gravidez;
  • endocardite;
  • hipertensão arterial;
  • hipertensão pulmonar;
  • infarto anterior;
  • radioterapia próxima ao peito.

Quais os sintomas?

O som característico que pode ser auscultado pelo médico, é um dos principais sinais dessa alteração. Outros sintomas que o sopro cardíaco anormal (patológico) pode causar, são:

  • anormalidade no crescimento (em crianças);
  • aumento das veias do pescoço;
  • desmaio;
  • dor no peito;
  • falta de apetite;
  • falta de ar;
  • fígado inchado;
  • ganho de peso ou inchaço repentino, sem motivo aparente;
  • pele azulada, especialmente, nas extremidades e lábios;
  • tontura;
  • tosse crônica;
  • transpiração intensa com o mínimo ou nenhum esforço.

Além desses sintomas, algumas doenças do coração, como a cardiopatia hipertrófica e a estenose da valva aórtica, podem provocar desmaios (síncopes) em decorrência da redução súbita do fluxo sanguíneo nos vasos da cabeça.

Como é diagnosticado?

Em geral, o sopro cardíaco é identificado em uma consulta médica. Por meio de um estetoscópio, o cardiologista consegue ouvir cada parte do batimento cardíaco e sons anormais, como os característicos dessa alteração. Quando localizado, o médico avalia o tipo e altura do som, buscando outros sintomas, como:

  • acúmulo de líquido nos pulmões ou nas pernas;
  • batimento cardíaco rápido ou irregular;
  • falta de ar;
  • tontura.

Além disso, podem ser solicitados alguns exames, como ecocardiograma, eletrocardiograma, cateterismo ou radiografia do tórax.

Quando procurar um médico?

Embora grande parte dos casos de sopros cardíacos não seja grave, quando há alguma suspeita, é muito importante consultar um cardiologista. Esse é o profissional capacitado para identificar a condição e sua gravidade, indicando o melhor tratamento, se necessário.

Quando não tratado, o sopro anormal (patológico) pode levar a complicações mais graves no coração ou à hipertensão pulmonar.

Como é o tratamento do sopro no coração?

Quando é diagnosticado o sopro benigno e sem prejuízos para a saúde, não é necessário nenhum tipo de tratamento, podendo o paciente levar uma vida sem restrições. Mas, em alguns casos, a alteração cardíaca só desaparece com um procedimento adequado, de acordo com as causas da condição.

O tratamento pode incluir medicamentos e, até mesmo, cirurgia para substituir ou fixar uma válvula no coração. Algumas situações podem ser tratadas com o cateterismo cardíaco. Caso a gravidade da doença exigir, a cirurgia também pode ser indicada para recém-nascidos.

Isso é possível devido ao avanço da medicina fetal que, por meio de máquinas de circulação extracorpórea e UTIs modernamente equipadas, consegue tratar precocemente os bebês que, antes, só podiam ser operados quando atingissem o peso de dez quilos.

É possível prevenir o sopro no coração?

Pelo fato de a maioria dos casos de sopros cardíacos serem normais, não há como impedir o seu aparecimento. Da mesma forma, grande parte dos casos patológicos (anormais) também não pode ser prevenida. Entretanto, é possível cuidar bem do coração adotando um estilo de vida sustentável, que inclui:

Como vimos, é importante saber o que é sopro no coração para conseguir identificar essa alteração. Por não ser um problema que pode levar à morte, mas sim, um sintoma, é fundamental consultar um cardiologista para avaliação e exames, logo que notar alguma alteração.

Gostou deste artigo? Siga as nossas redes sociais para ficar atualizado com as nossas postagens sobre saúde e qualidade de vida. Estamos no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn!

Você também pode gostar

Deixe um comentário