Por que a pneumonia é comum em idosos? Entenda

pneumonia em idosos
7 minutos para ler

Causada por agentes infecciosos, a doença afeta os pulmões e a região dos alvéolos pulmonares, causando sintomas de vão da febre alta e dificuldades para respirar até o mal-estar generalizado. A pneumonia em idosos é ainda mais grave, podendo levar a pessoa à morte.

Pelo grande risco, é fundamental adotar medidas de prevenção, como a vacinação e melhores cuidados de higiene (limpeza frequente das mãos e das vias aéreas, com o uso de soro fisiológico). Além disso, uma vez instalada, é preciso procurar o médico rapidamente e fazer o tratamento recomendado, que muitas vezes exige internação. 

Quer entender melhor a pneumonia e saber como prevenir essa doença, especialmente em idosos? Então acompanhe o nosso post!

O que causa a pneumonia e quais os sintomas?

A doença é causada pela penetração de bactérias, fungos ou outros agentes irritantes nos pulmões, provocando infecção na região dos alvéolos ou entre eles. Até mesmo reações alérgicas podem desencadear a pneumonia. 

Uma gripe mal curada ou a permanência em ambientes pouco ventilados também são considerados fatores de risco para a enfermidade, assim como mudanças bruscas de temperatura e uso intensivo de ar-condicionado, que deixa o ar mais seco e favorece a proliferação de vírus e bactérias. 

Os sintomas são:

  • tosse;
  • falta de ar e dificuldade respiratória;
  • febre alta;
  • dor no tórax;
  • alterações de pressão arterial e batimentos cardíacos acelerados;
  • presença de secreção com pus;
  • confusão mental;
  • mal-estar;
  • prostração;
  • presença de toxinas no sangue em excesso (toxemia).

Por que a pneumonia é comum em idosos?

A pneumonia, na verdade, pode afetar pessoas de qualquer idade. Nos idosos, entretanto, a gravidade costuma ser maior, em função de possíveis condições que comprometem a sua saúde, como falhas do sistema imunológico, disfunções renais ou hepáticas, diabetes, obesidade, desnutrição, doenças neurológicas e psiquiátricas, entre outras. 

Além destes fatores, os idosos também têm maior predisposição a desenvolver um tipo específico de pneumonia, chamada aspirativa. Algumas pessoas de mais idade podem sofrer com a disfagia, que é uma dificuldade mecânica para ingerir líquidos ou alimentos, o que causa refluxo. 

Em pessoas acamadas, esse refluxo se intensifica, levando à aspiração de substâncias, líquido gástrico ou mesmo secreções que naturalmente estão presentes na boca.

Normalmente, o organismo tem mecanismos de defesa, como a tosse, que impedem a entrada de pequenas partículas nos pulmões. Porém, idosos ou indivíduos com saúde debilitada têm maior dificuldade para isso. O material aspirado da boca e garganta pode conter bactérias; já o do estômago é ácido e costuma prejudicar os pulmões.

Além de tudo isso, o isolamento social decorrente da pandemia pelo novo coronavírus também contribui para o maior risco de ocorrência de doenças, pois a população dessa faixa etária pode desenvolver quadros de estresse e ansiedade, que afetam a sua imunidade, favorecendo também o surgimento de outros problemas, como a pneumonia em idosos.

Qual é o tratamento para pneumonia?

O uso de antibióticos, que devem ser prescritos pelo médico, é fundamental para tratar a pneumonia. Dependendo da causa da doença, também podem ser indicados medicamentos antivirais, antifúngicos ou antiparasitários. Além disso, em alguns casos, a internação pode ser necessária, para que os profissionais de saúde acompanhem melhor a evolução do paciente e para o uso de antibióticos intravenosos. 

Em situações que envolvem idosos, pessoas com febre alta ou com dificuldade respiratória, decorrente de baixa oxigenação do sangue, a conduta, normalmente, é de internação hospitalar. O mesmo vale para quadros em que há comprometimento da função renal ou da pressão arterial e para quem tem doença cardíaca ou pulmonar, como o enfisema ou a doença obstrutiva pulmonar crônica (DPOC).

A internação é muito importante nessas circunstâncias, pois o paciente pode necessitar de oxigênio suplementar ou até mesmo de ventiladores mecânicos. Mas, quando o comprometimento do organismo não é maior, a pessoa com pneumonia pode seguir o tratamento em casa, com antibióticos via oral.

Como prevenir a pneumonia em idosos?

Para reduzir o risco de pneumonia, alguns cuidados são necessários —  em qualquer idade, mas especialmente para os idosos, uma vez que, como vimos, o agravamento da doença pode ser maior nessa faixa etária.

Vale lembrar, ainda, que a prevenção é importante para evitar também a ocorrência de outras doenças respiratórias. Confira as orientações!

Evite mudanças bruscas de temperatura

As baixas temperaturas fazem com que a imunidade do organismo fique menor, pois o corpo precisa gastar mais energia para conseguir permanecer aquecido e manter as funções vitais. Essa pode ser uma porta de entrada para bactérias que afetam os pulmões.

Evite aglomerações

Locais com grande concentração de pessoas aumentam o risco de disseminação de doenças. Assim, sempre que possível, deve-se evitar ambientes com aglomeração, especialmente se forem locais fechados e com ar-condicionado.

Lave as mãos com frequência

Frequentemente, a infecção ocorre quando a pessoa toca algo contaminado por alguém que estava com a doença e leva as mãos aos olhos, boca ou nariz, que são portas de entrada de doenças no organismo. Por isso, a higienização frequente das mãos é fundamental para reduzir o risco. 

Mantenha a vacinação em dia

A vacina antipneumocócica protege contra a pneumonia bacteriana e está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) para pessoas com mais de 60 anos. Além dela, a vacinação anual contra a gripe também é importante, pois muitas vezes a pneumonia se desenvolve como agravamento desse problema. 

Adote hábitos saudáveis

Evitar o tabagismo e o consumo de álcool também melhora as defesas do organismo, além de reduzir o risco de outras enfermidades, como doenças hepáticas, cardíacas e renais, que causam o agravamento da pneumonia. Manter hábitos saudáveis de alimentação e higiene bucal também são atitudes importantes para combater a enfermidade.

Tenha atenção às complicações causadas pela bronquite

A bronquite e a bronquiolite são doenças diferentes, que podem evoluir para o enfisema pulmonar e, se não tratadas adequadamente, desencadear a pneumonia.

Existem três tipos de bronquite (asmática, crônica e alérgica), mas a consequência sempre é a inflamação dos brônquios, que são as estruturas responsáveis por levar o oxigênio aos pulmões. Qualquer que seja o caso, é importante manter a doença sob controle. 

Qual a importância da prevenção?

A pneumonia em idosos pode ter consequências bastante sérias. A taxa de letalidade da doença é de 60% na população acima de 60 anos, além de favorecer outras comorbidades, como explicamos. Por isso, é fundamental ter atenção aos cuidados preventivos e recorrer aos serviços de saúde em caso de qualquer suspeita.

Nossas dicas foram úteis? Então compartilhe nosso post em suas redes sociais e ajude outras pessoas a terem mais atenção a esse grave problema de saúde!

Você também pode gostar

Deixe um comentário