Pressão alta em crianças? Veja os sintomas e saiba como prevenir!

pressão alta em crianças
8 minutos para ler

A pressão alta em crianças é uma realidade. Dados apontam que 2% a 4% dos pequenos sofrem com a doença no Brasil. Na idade adulta, esse número cresce ainda mais. Cerca de 1 bilhão de pessoas têm hipertensão em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Desses, aproximadamente 51,6 milhões vivem no Brasil — o Ministério da Saúde estima que 35% da população adulta do país tenha a doença. Mas o que fazer para prevenir e controlar a pressão alta em crianças?

Conversamos com o cardiologista Carlos Alberto Machado, Diretor Especial da Hipertensão na Atenção Básica de Saúde do DHA-SBC 2020 – 2021, que traz recomendações para que os pais cuidem cada vez mais da saúde dos filhos. Acompanhe as dicas!

Quais os principais sintomas da pressão alta em crianças?

Na maioria das vezes, a hipertensão arterial é totalmente assintomática, seja em crianças, seja em adultos. Ainda assim, é fundamental que os pais mantenham sua atenção em relação a alguns indicativos de que os pequenos possam ter pressão alta:

  • dor de cabeça — quando ocorre com frequência e não é detectada uma razão específica, é possível que a pressão alta seja a responsável;
  • tontura — se acontece com frequência, também não é algo natural e deve ser investigado;
  • falta de ar — outro sintoma associado a uma série de doenças, mas que também pode estar relacionado à pressão alta em crianças e adultos.

Quais os fatores de risco para os quais os pais devem ficar atentos?

Embora os sintomas sejam escassos, há outros elementos que podem ajudar os pais a identificar se uma criança tem pressão alta. Os principais são a obesidade e o histórico familiar. Veja o que nosso especialista convidado tem a dizer a respeito.

Obesidade

A obesidade é o principal fator do aumento da prevalência de hipertensão nas crianças e adolescentes. Por isso, a educação alimentar, a prática de exercícios e, é claro, o acompanhamento médico frequente com as consultas ao pediatra são essenciais.

Histórico familiar

A hipertensão arterial primária sempre tem como fator principal um componente familiar. “A criança herda da família o fator para desenvolver hipertensão arterial e, dependendo do estilo de vida, vai apresentar a condição ou não”, alerta Machado.

Como prevenir ou reduzir a pressão alta em crianças?

As dicas para a prevenção ou redução de riscos para quem já têm pressão alta são basicamente as mesmas: boa alimentação e prática de exercícios físicos para crianças são vitais para garantir a saúde do coração. Veja as dicas, em detalhes.

Ter uma dieta balanceada

Quando os pais são hipertensos, é fundamental prevenir que os filhos desenvolvam a doença. A melhor forma de fazer isso é estimular um estilo de vida saudável:

  • manter a criança dentro do seu peso ideal;
  • ter hábitos alimentares adequados;
  • estimular a prática regular de atividades físicas;
  • diminuir o uso de sal;
  • usar medicamentos que podem subir a pressão.

Além disso, orientar esses jovens para que, na vida adulta, evitem o uso de bebidas alcoólicas, também é papel dos pais.

Quando se fala em dieta balanceada, as principais dicas são:

  • consumir verduras, frutas e legumes (mesmo sendo alimentos que a maioria das crianças não gostam);
  • inserir carnes brancas de peixe e aves na dieta familiar;
  • temperar a comida com pouco sal;
  • evitar fast-food e refrigerantes.

Sempre que possível, o ideal é contar com o suporte e a orientação de um nutricionista. “Os pais devem dar o exemplo, pois você não muda as pessoas com discurso, e sim, com atitudes”, pondera o médico.

Fazer atividades físicas

Com as brincadeiras resumidas ao celular e ao computador — tendência que cresceu com a pandemia do novo coronavírus —, ficou cada vez mais difícil colocar as crianças para praticar exercícios.

No entanto, é fundamental mostrar para elas a importância das atividades físicas como um fator essencial na busca por uma vida longa e com qualidade. Assim como no caso da alimentação, o exemplo deve vir dos pais.

Para crianças que já estejam com a pressão alta, é essencial fazer as mudanças necessárias ao seu estilo de vida. Também, garantir que a hipertensão não está sendo causada por outra doença (o que pode ser descoberto com a consulta ao pediatra e exames médicos), e iniciar o tratamento medicamentoso, caso necessário, da mesma forma que os adultos.

O exemplo dos pais pode contar muitos pontos! Por isso, esse estilo de vida não deve ser restrito aos pequenos, e sim, compartilhado pelos adultos que o rodeiam. É assim que se atingirá a qualidade de vida familiar desejada.

Como se faz o diagnóstico de pressão alta em crianças?

Há, basicamente, duas formas de diagnosticar a pressão alta em crianças: o acompanhamento médico, por meio de uma consulta pediátrica, e a medição da pressão arterial.

Mas cuidado: se ela for feita por uma pessoa que não é formada em Medicina, é fundamental agendar uma consulta com um especialista, antes de iniciar qualquer tratamento, para orientações.

Consulta pediátrica

A criança deve medir a pressão arterial todas as vezes que vai ao pediatra, com naturalidade — da mesma forma como é medida a temperatura, o peso e a altura em cada consulta.

“Na suspeita de hipertensão arterial, deve ser afastada, primeiro, a possibilidade de existir uma hipertensão secundária — condição em que a criança tem uma doença de base, que quando diagnosticamos e tratamos, a pressão alta também é curada”, destaca Machado.

Medição da pressão arterial

A medida da pressão alta em crianças deve ser feita com um aparelho automático ou aneroide (instrumento que não usa mercúrio), sempre com o suporte de um manguito (parte que envolve o braço), de acordo com a medida da circunferência infantil. Neste ponto, o uso do manguito adequado é fundamental para o bom o diagnóstico de HA em crianças e adolescentes,

Também deve ser utilizada uma tabela de percentil de gênero, idade e altura, disponível em todas as diretrizes de hipertensão arterial, ou em diversos aplicativos, em formato digital.

Qual o tratamento indicado para a doença?

Como mencionamos anteriormente, a alimentação, a prática de exercícios físicos e o tratamento medicamentoso são as melhores formas de prevenir e tratar a pressão alta em crianças.

Mas fica o alerta: o uso de remédios deve ocorrer sempre com acompanhamento especializado e com a medicação correta, na dose ideal. Isso só pode ser diagnosticado e receitado por um médico.

Como deve ser feito o acompanhamento médico?

A hipertensão é uma doença silenciosa, praticamente assintomática ou com sintomas quase imperceptíveis. Por isso, é essencial levar as crianças às consultas com a frequência recomendada pelo médico, para que possa ser feita a medição da pressão e receitados os tratamentos mais adequados.

Além disso, medicar-se de acordo com a dosagem e frequência indicadas pelo profissional, em associação com a prática de hábitos saudáveis, fará com que a doença fique controlada. Assim, não terá consequências graves ao longo da infância e também da vida adulta.

Uma revisão sistemática incluindo 27 estudos recomendou que a monitorização em crianças e adolescente que apresentem suspeita de HA seja feita durante 6 a 7 dias, com 2 medidas de manhã e à noite para chegar aos valores reais, que muitas vezes podem ser inferiores aos medidos em consultório.

Esperamos que o conteúdo tenha tirado suas dúvidas. Embora seja um tema delicado e difícil, é fundamental se manter bem informado a respeito da pressão alta em crianças, para garantir que os filhos estejam sempre bem e preparados para viver com tranquilidade e muita saúde.

Deixe seu comentário no post caso tenha algum questionamento ou recomendação!

Você também pode gostar

Deixe um comentário